segunda-feira, 6 de novembro de 2006

É noite, e cada vez que ouço o barulho de um carro, na minha rua, o meu coração dispara mais rápido que qualquer motor turbinado, e o som que escuto parece propulsor de ondas numa tempestade de fogo a circular nas minha veias. A lua se esconde por trás de uma explosão de milhões de fogos de artifício como se fora uma noite de S. João ou uma noite de reveillon na praia de Copacabana. E eu igual a uma adolescente apaixonada, espero que a cantora Alcione tenha razão em pedir numa canção “FAÇA UMA LOUCURA POR MIM” e que depois desse espetáculo pirotécnico “noiado” você surja como um cometa rasgando o céu. POR CAUSA DE QUÊ? Porque todos os carros que passavam ou pararam, eram da mesma cor e da marca do seu -todos dourados e da Wolkswagen- as outras marcas tornaram-se momentaneamente cúmplices da minha dor e se travestiram para acalmar a minha alma; até a placas foram clonadas da sua. De qualquer cor, faziam questão de resplandecer num dourado brilhante como a luz do sol, como se quisessem desafiar a noite e a minha tristeza. Fixei meu olhar em todos eles – nem pisquei- com o intuito de ferir os meus olhos, para que as lágrimas companheiras do agora derramassem, somente para dentro e lavassem a minha alma ( como a lavagem da Igreja do Sr. do Bonfim) antes que ela chegasse a enrijecer igual a couro de animal no curtume. Depois desse "banho", respiro fundo e me convenço, finalmente, que a vida não é só noite. O dia chega valente por ser novo de novo, deixando que a escuridão só impere quando ele desistir de acreditar que todo amanhã especial começa sempre com uma bela manhã.

4 comentários:

Lisavieta disse...

Esse seu (belíssimo) texto me remeteu a uns versos de uma música do Roberto Carlos...
"o ronco barulhento do seu carro/
a velha calça desbotada ou coisa assim/
e até nesse momento você vai lembrar de mim".

Um beijo enorme pra vc! Q bom q existem os novos dias, e as novas noites, e os Volkswagens que nos tiram o fôlego...

(=

carlamaria@bol.com.br disse...

oi ligia adorei seu texto, espero que o livro seja tambem assim
vai em frente

vitoria2004@ig.com.br disse...

Oi amiga, sempre arrasando né? amei de verdade, cheguei às lagrimas.você me emociona a cda texto que leio
bjs

Lápis-lazúli disse...

Parabéns Ligia!
É admirável a forma espontânea de refletir sobre os riscos do auto-engano, quando o agitado dia demonstra expostas inquietudes.
Lápis-lazúli