quarta-feira, 16 de abril de 2008

NÃO SÃO METÁFORAS

Entro na net diariamente por força do hábito e do ofício, tão automaticamente que meu computador parece uma extensão de mim. Passeio , navego, encontro e desencontro pessoas .
Escuto, falo, escrevo, leio, vejo e me mostro, aprendo e ensino, bloqueio e sou bloqueada. Emociono-me com relatos, acho graça das bobagens e naturalmente riem, das minhas bobagens também. O virtual me encanta!
Mesmo com todo esse encanto/deslumbramento, sinto falta do olho no olho, da cervejinha gelada( quando se está no real) para temperar as conversas sérias , intelectuais e até as que provocam o famoso rsrsrsrs / kkkkk.
Tenho companhias de teclado de norte ao sul, daqui e de além mares. E cada vez que a bandeirinha anuncia alguma chegada é alguém à minha porta para adentrar com as mãos cheias de músicas que vão do Brega ao Chic’o, do barulho ruidoso do rock metálico ao som envolvente de Richard Chamberlain .
E não faltam os erudito-clássicos de uma sinfonia numerada ou o Opus de Shostakovich, em formato midi, o que não tira a beleza dos acordes.
Meu conhecimento antes restrito tem se alargado, por receber versos, prosas , poemas de escritores dos quais não tinha ainda ouvido falar – e de outros velhos conhecidos , com os quais me deleito na leitura a algum tempo.
Me trazem de presente Clarisse Lispector , Hilda Hilst, T.S.Elliot, Ernest Hemingway ou Cassiano Ricardo e deste, “Você e o seu retrato” (olhando a janela de exibição, relembro um trecho do poema)
...“Talvez porque o seu retrato,
embora eu me torne oblíquo,
me olha, sempre, de frente” ...
Recebo letras de músicas que fazem-me viajar sem sair da tela. Letras que me deixam triste por não tê-las escrito, mas abençôo a sensibilidade de quem as escreveu.
Imagino o estado de sublimação do grupo Marisa Monte, Arnaldo Antunes e Carlinhos Brown, quando fez o casamento perfeito de música e letra do sucesso “É VOCÊ”, ao mesmo tempo imagino que pessoa tão especial, desperta nos autores frases assim :
É você
Só você
Que na vida vai comigo agora
Nós dois na floresta e no salão
Nada mais
Deita no meu peito e me devora
Na vida só resta seguir
Um risco, um passo, um gesto rio afora ...
São essas companhias virtuais que vencem os kilometros e as horas , a distância e o tempo e conseguem me invadir sem imposição, entram com uma bandeirinha dizendo cheguei , e eu , sinceramente , eu fico com medo que a “net caia” .
PS. Teria uma tela minha para ilustrar o texto, mas preferi uma que recebi de presente numa dessas conversas.

5 comentários:

lu disse...

Olá Liginha, queria ter mais tempo para nós, vc para escrever e eu para ler o que vc escreve.Mas o tempo nos rouba para outras coisas, mesmo assim tiro instantes para viajar nas suas estórias.
Arranja mais tempo, viu?
Beijos muitos da tua amiga -irmã
Lu

lu disse...

Olá Liginha, queria ter mais tempo para nós, vc para escrever e eu para ler o que vc escreve.Mas o tempo nos rouba para outras coisas, mesmo assim tiro instantes para viajar nas suas estórias.
Arranja mais tempo, viu?
Beijos muitos da tua amiga -irmã
Lu

paolo disse...

Oi,Lígita

Fico em Nirvana, quando leio um texto seu , penso como é bom ter esse recanto virtual, e sei que sou uma das pessoas que por acaso, busca ou indicação chego até ele.
Acho que outros visitantes não postam comentários pq é meio complicado para postar.
Aproveito e dou a dica: Escrever o comentário, Escolher identidade e clicar em Nome/Url, e clicar finalmente em publicar comentário.
Vou te indicar para meus amigos.
Bjs e fica com o Arquiteto do Universo.

Fátima disse...

OI Lígia...
aos poucos vou lendo (relendo) as tuas (e nossas tb)coisas....Nesse texto sobre a net vc me deixou feliz, por eu saber q não sou só eu q tenho certos pensamentos. Me deliciei ao ver citadas pessoas q tb encantam....Adorei querida!...Bjs no coração!

Fátima disse...

Retificando..."Me deliciei ao ver citadas pessoas q tb me encantam....
Aproveitando...mais bjs...rsrsrs