terça-feira, 20 de janeiro de 2009

Namaskar


Namaskar
Sempre vou ao meu Blog, e procuro com ansiedade o que comentam sobre o que escrevo. Encontro comentários, que lógico , afagam a minha alma, e percebo pelo contador de visitas quantas pessoas me honraram com sua visita, no entanto alguém inusitadamente posta comentários com o codinome Anônimo,( me dá saudades do Cazuza) o que instiga a minha curiosidade. Quero nesse texto agradecer a todas as pessoas que tecem palavras tão incentivadoras às minhas "loucuras literárias", e hoje em especial ao Anônimo.
Pego carona na estréia dos Caminhos da Índia, então insiro a imagem retirada do Google que representa "A divindade em mim sauda e reconhece a divindade em ti" , para ilustar o meu agradecimento ao comentário feito no texto "Flora? Flora é uma Fauna- os animais que me perdoem" quando ele se desculpa por elogiar tantas vezes o que eu escrevo, e como resposta publico essa homenagem:
Olá Anônimo, você sabe, sabe sim, que o aplauso está para a arte como o oxigênio para a vida. Portanto só tenho a agradecer toda ternura que você passa ao comentar o que lê. Fico extasiada com seus elogios. Sei que outras pessoas leem (não tem mais acento, não é?) - mas por não saberem como adicionar o comentário, ( a janela do comentário é um pouco complicada) deixam de faze-lo, ou não gostam de expressar seus (des) contentamentos. Enquanto isso, você me presenteia sempre quando externa a sua sensibilidade ao meu "banho de linguagem".
As pinturas eu as faço com um programa da Pixarra, e estão fazendo parte de um projeto posterior , que será uma coleção de cartões com imagem e textos. Tanto nas letras como nos pinceis sou autodidata. Esse ano decidi fazer Jornalismo , e me sentir à vontade e com mais propriedade para expor os meus pensamentos.
Quanto à "perfeição" tento e busco-a todos os dias, quem sabe consigo a imortalidade, mas não gostaria de ser única nessa conquista. Não morrer seria perpetuar-me e não me contentaria estar sozinha nessa condição.Gostaria que esse desejo não se cristalizasse na utopia, e que eu e muitos conseguissemos derrotar a morte como Sabin o fez com a Poliomielite.Para tanto, se me perguntassem quais animais eu admiro, eu diria que a tartaruga me encanta , pela sua longevidade, o que me daria mais tempo para driblar a morte, e os pássaros por sua possibilidade de voar, o que me levaria fisicamente aonde o meu coração me instigasse.Mas acho que tartaruga tem uma carapaça muito dura para acoplar asas e aprender a voar com tal carenagem é ofício para Richard Bach. No entanto, compreendo que asas não são propriedades da GOL e da TAM, eu assevero românticamente que "Longe é um lugar que não existe", portanto, sair daqui e estar lá, é uma questão de sobrevivência da alma.
Bom, os sonhos nos fazem etéreos e sutis, a arte nos imortaliza, a música embevece nossa vida, porém os Anônimos e os Indentificados garantem a nossa persistência.
Um abraço afetuoso, SEMPRE!
Grata mais uma vez.
Texto: Lígia Beuttenmüller
Imagem: Google Imagens
Direitos Autorais Reservados

6 comentários:

Anônimo disse...

voce e divina! Tudo que vc diz escrevendo me encanta.Amooo
Loved it!

Anônimo disse...

Oi

Estou indescritivelmente feliz com a crônica NAMASKAR. Creio que nunca recebi um presente tão bonito e sublime como esse. Me sentindo muito importante hoje. Alguém que tanto admiro e respeito pela intelectualidade, sensibilidade e inteligência, escreve para mim e, desta vez, sou a fonte de inspiração. Muito obrigado (a) Ligia.
Quanto a desejar possuir asas e longevidade.... Você as tem. E magnificamente bem definido no seu texto: Longe é um lugar que não existe e em qualquer lugar que você deseje ir, você chegara e brilhara porque você é uma pessoa especial , iluminada e consequentemente inesquecível.
Mas uma vez, agora sei que posso ficar a vontade, PARABÉNS.
Um beijo.

PS. Esse comentário anônimo acima, não foi meu. Mas concordo em gênero, numero e grau com o que ele escreveu. Que bom que sua legião de admiradores esta crescendo. O que é absolutamente normal e previsível.

Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Lisavieta disse...

Que lindo seu texto, minha querida.
Me fez celebrar a vida, ter vontade de ouvir o Cazuza novamente, e modificar a semantica pejorativa da palavra "Anonimo".
Um beijo enorme, q prazer passear pela sua "loucura literaria"!!
Lisa

ligia disse...

Ao anônimo

Te add no msn, enviei os meus e-mails.Retirei o seu por precaução.
Um abraço afetuoso
Lígia

Anônimo disse...

Tenho uma enorme respeito por você, e gosto de tudo que o que você escreve e passa sem precisar ta perto , sem precisar pessoas ouvi-la , mas sim vc passa essa segurança em palavras escritas... abraços e sucesso...