sábado, 31 de março de 2007


MÁSCARAS
Acredito que as máscaras foram inventadas para esconder verdades, por isso funcionam melhor no cotidiano do que em dias de momo, até porque carnaval dura somente 04 dias.
Quantas vezes e há quanto tempo nos apropriamos delas para o grande disfarce?
Como é bom, ( será ?), viver por trás delas sem deixar que o espetáculo da vida se apresente em plena cena aberta? Até quando elas nos serão úteis?
Já nos perguntamos se não estamos perdendo tempo ( este, é irrecuperável) pelo fato de preferirmos viver nossas mentiras íntimas a bem das verdades que não conseguimos contar nem para nós mesmos?
Pode até ser mais fácil, mais cômodo, viver assim, mas quantas oportunidades se perdem, porque não conseguimos encarar a nós mesmos?
Nunca é tarde, penso agora, num fórum íntimo, para desvendarmos o que se passa cá dentro de nós.
Pior, certamente, é perceber que de tanto usar máscaras, nos perdemos de nós mesmos. No final de tudo é que vamos nos dar conta que ao retirarmos , forçosamente , a última máscara, estaremos numa situação irreversível: a vida passou por nós e o que nos resta é o RESTO dela, envelhecida, carcomida pelas lembranças e perdida nos desejos que nunca foram plenamente realizados; é quando o TEMPO - senhor de todas coisas - nos diz , impiedosamente : ADEUS!!!!!

3 comentários:

claudio fonseca disse...

porra Lígia, tu hem? Bota pra lascar. Que dia sai esse livro de rosca? kkkkkkk
já é hora da gente, botá-lo na cabeceira .rsrsrsrsr
beijos mil
teu amigo irmão
clau

josue disse...

O acaso nos faz pensar que sem ele tudo seria entediante, afinal tê-la conhecido foi uma forma indescritível de prazer, ainda que o convívio tenha-se limitado a o compartilhar do mesmo espaço, perguntas banais e troca furtiva de olhares...
Sei que não estou ao alcance do que és como mulher pensante e muito aquém das tuas vívidas experiências enquanto ser pensante com 250... de idade.
Desejo-te todo o melhor que se possa ter nesta vida, e caso eu venha a ter qualquer participação, ainda que ínfima nesta metamorfose de felicidade, que seja intensa e positiva, elevando-te ao que eu chamo de iniciação do NIRVANA.
Com afeto: JJS.

Anônimo disse...

Ligia, querida companheira de sala, cada dia mais fico impressionado com seu talento...
Seus quadros são lindos, já pensou em expor?
Bruno Souza.